Actions

Work Header

Um Estranho Conhecido

Chapter Text

John ainda estava refletindo na proposta quando chegou em casa. Apesar de ainda estar ocupado com afazeres ligados ao Queen, como checar a contabilidade da banda, como ele fazia todo mês, não deixava de pensar nisso. Não é que ele não estivesse disposto a aceitar a proposta, mas era algo muito diferente e inusitado, que nem mesmo dentro dos parâmetros do Queen ele imaginava que aconteceria. Pelo menos, ele ainda tinha mais um tempo para pensar.

Chegando em casa, sentou-se à mesa da cozinha, seu lugar preferido para fazer as contas e logo abriu o livro de registros, verificando as contas e números com olhos ágeis.

-John, faz tempo que está aí? - Veronica o encontrou, o interrompendo por um momento.

-Ah não, acabei de chegar - ele deu de ombros, um tanto sem graça - desculpa eu não ter te dado um oi.

-Tudo bem, Johnny - sua esposa deu um sorriso compreensível e beijou sua bochecha o cumprimentando - correu tudo bem hoje?

-Ah sim, tudo certo, vamos gravar uns três singles no mês que vem - contou ele - mas é que hoje, nós também...

-O que aconteceu, John? Tem alguma coisa te incomodando... - Veronica opinou, depois de analisar o comportamento um tanto diferente do marido.

-Bom, é... - Deaky ajeitou sua postura no assento, unindo as mãos sobre a mesa - tivemos uma reunião hoje com Graham King, ele é um produtor de cinema e ele propôs a nós... Fazer um filme sobre o Queen.

-Um filme? Não um documentário, bom, é... - a sra. Deacon se surpreendeu, e depois tomou cuidado para escolher suas próximas palavras - você não gostou...

-Não, não é que eu não gostei - John fez uma careta, se sentindo um tanto desconfortável - é que eu me sinto estranho sobre isso, é que a banda é uma grande parte da nossa vida e se vão contar a história da banda, quer dizer que vou contar sobre a gente, nossa vida pessoal e tudo mais e... Não queria minha vida mais exposta do que já está, do que já estamos acostumados.

-Mas já decidiram fazer o filme? - perguntou Veronica, preocupada, mas entendendo seu marido perfeitamente.

-Não, ainda não, nos deram um tempo pra pensar - John acrescentou, ainda reservado sobre isso.

-Bom e você não quer aceitar, pelo jeito - concluiu ela, tentando pensar em outra solução.

-Não é que eu não queira aceitar, até aceitaria, só não quero detalhes pessoais expostos, entende? - ele já estava se sentindo cansado.

-É claro que eu entendo, meu amor, e eu também detestaria ver esse tipo de coisa - Veronica tocou as mãos dele - mas se você precisar dizer um sim pra essa ideia, se os meninos insistirem demais, como eu sei que eles fazem, não hesite em dizer que você só aceita o filme com essas condições. Não esqueça que se foram até vocês é porque querem a aprovação do Queen, e vocês decidem o que vai entrar no filme ou não, e você faz parte da banda também, John, tem direito de opinar.

-Por mais que fizeram a proposta - John sorriu quando sua esposa terminou de falar - ele ainda nem tem um roteiro pronto, e tem razão, Roni, King está contando com a nossa aprovação.

-Provavelmente vocês vão poder dar pitaco no roteiro e quem melhor do que vocês pra decidir quais são as melhores partes da sua própria história? - apontou Veronica, com um olhar sugestivo.

-Pensando por esse lado, se eu realmente conseguir ter toda essa influência, até que não é uma má ideia - John refletiu com uma mão no queixo, pensativo - obrigado, meu bem.

-Não tem de que - a sra. Deacon sorriu e beijou a bochecha do marido outra vez, deixando ele com suas contas e um pouco mais tranquilo com essa ideia de filme.

Durante aquela mesma semana, a banda e sua assessoria tiveram contra reunião com Graham King, que realmente estava decidido a só fazer o filme se o Queen autorizasse, todo o processo passaria pelo crivo deles.

-Se alguém tem que se manifestar, eu digo por mim, sr. King, que autorizo fazer um filme sobre nós - Freddie opinou - vai ser uma experiência bem divertida e diferente, é a nossa cara mesmo.

-Realmente somos experimentais - ponderou John - mas o que exatamente quer abordar nesse filme, sr. King?

-Bom, os momentos mais importantes da banda, desde a sua origem até o show do Live Aid, pra ser mais específico - Graham explicou melhor - queremos abordar da melhor maneira possível dentro da duração padrão de duas horas.

-E dá pra contar muita coisa em duas horas? - estranhou Roger.

-Os pontos chaves da história da banda é que vão ligar tudo - respondeu Graham.

-E se aceitarmos a produção do filme, vamos poder dar uma olhada no roteiro? - Chrissie quis tirar a dúvida, para o alívio de John.

-Absolutamente, sra. May - King assentiu - queremos a sua autorização em tudo, queremos fazer com o máximo de respeito, a vocês e aos fãs.

-Garante tudo isso? - Brian quis ter certeza.

-Garanto sim - disse o produtor por fim.

A sinceridade de King foi o suficiente para convencer a todos, desde os mais dispostos a aceitar a ideia até os mais céticos, como John e Chrissie.

-Parece que temos um acordo então - Jim Beach disse animado, começando a preparar documentos pra que todos assinassem.

John só podia esperar que essa ideia de filme fosse realmente boa.

O Queen se concentrou no trabalho de fazer música e deixou que a equipe do filme fizesse seu trabalho, que não era especificamente a especialidade da banda. Um tempo depois, receberam uma versão do roteiro. John levou sua cópia pra casa, pra que Veronica também lesse.

-O que você achou? - ele perguntou à esposa depois de terminar sua leitura.

-Primeiro quero saber o que você achou - Veronica devolveu a pergunta.

-Sinceramente, eu achei ótimo - John confessou, mais animado do que parecia estar - realmente focam nos acontecimentos mais marcantes, mas também na nossa amizade e... Foi por isso aue eu fiquei feliz enquanto lia.

-E capturaram o seu jeito exatamente como você é - a esposa dele deu um sorriso contente - no seu canto, mas decidido quando precisa ser.

-Eu sou mesmo desse jeito? - perguntou ele em tom de brincadeira.

-Você sabe que é, Johnny... - Veronica balançou a cabeça.

-Acho que pode dar um bom filme - Deaky deu de ombros, descontraído, mas esperançoso.

-Vai sim, meu amor - a sra. Deacon assentiu, também começando a genuinamente gostar da ideia.

Chapter Text

Joe Mazzello tinha vivido os últimos dias muito inquieto. Fazia tempos que os produtores da Fox tinham entrado em contato com ele, interessados em escolhê-lo para interpretar John Deacon. Assim que soube disso, Joe se concentrou em fazer o necessário para conseguir o papel, estudou baixo, viu entrevistas centenas de vezes, até praticou o bendito sotaque que era difícil para um americano fazer. Mas Joe não se importou com isso, estava empolgado para conseguir o trabalho.

Não conseguia parar de pensar que desde que o chamaram, já tinha se passado muito tempo e até onde ele sabia, não havia mais nenhum ator no páreo com ele, assim, tudo levava a crer que Joe seria contratado, o problema era esperar pela confirmação.

Foi assim que numa manhã comum em queJoe estava checando seus emails, se deparou com o que tanto esperou receber. O remetente era o gerente de casting da Fox, dando-lhe os parabéns e a confirmação de que ele tinha sido escalado para interpretar John Deacon em Bohemian Rhapsody.

Sua primeira reação foi dar um sorriso enorme, gargalhar como uma criança e finalmente se render a um choro emocionado. Os primeiros a saberem foram seus pais, que ficaram tão orgulhosos como o próprio Joe estava de si mesmo. Ele sabia que tinha dado o melhor de si e todo seu esforço tinha valido à pena naquele momento.

Apesar de toda animação e empolgação, Joe não deixou de prestar atenção a outro detalhe importante no email, haveria uma reunião com os produtores do filme e logo em seguida iriam para Abbey Road, encontrar com o Queen e a assessoria da banda.

Aquilo deixou Joe ainda mais empolgado, mas preocupado. Era óbvio que ele conheceria a banda, já que era a história deles que eles estavam contando, mas isso também o deixou com medo. Com certeza o Queen estaria bem presente durante o projeto todo, e logo de cara Joe sentiu o tamanho da responsabilidade que ele e todo o elenco tinham. Queria respeitar o legado do Queen e principalmente John Deacon e sua privacidade. O ator tentou guardar a ansiedade para o dia da reunião.

Assim que todo o elenco foi escalado, não demorou muito para que o Queen soubesse quem interpretaria suas versões mais jovens. Apenas os nomes foram divulgados e a data e a hora da reunião para a banda e os atores se encontrarem. John notou a empolgação em seus amigos, começando a imaginar como seriam os rapazes, o que achariam de conhecer a banda e se eles fariam muitas perguntas.

-Está tudo bem, John? - perguntou Chrissie, a esposa e assistente do guitarrista, mas que acabava sendo uma conselheira para os quatro - não disse muita coisa sobre o filme...

-Bom, é que eu só estou imaginando o que vai dar tudo isso - Deacon sabia que podia ser sincero com ela - acho melhor conhecer o sr. Mazzello primeiro antes de criar expectativas.

-Primeiro, você deveria chamar ele de Joe, Deaky - opinou Freddie - essas formalidades só vão espantar os meninos.

-Ser formal não é por chatice, é por respeito - Brian tentou ajudar - mas concordo com o Freddie, eles são muito mais jovens que nós.

-Mais fácil eles nos chamarem de senhor - Roger riu.

-Eu não quero ser chamado de senhor! - declarou Freddie, um tanto indignado - relaxa, Deaky, continue não criando expectativas então, e aproveite o momento quando nós conhecermos os rapazes, está bem assim?

-Bem melhor Freddie, mas não era esse o meu plano desde o começo? - John deu um sorriso de lado, se sentindo um pouco mais aliviado a ponto de brincar.

-Ah Deaky, seu velho sarcástico! - Freddie reclamou em tom de brincadeira, o que fez seus amigos rirem.

Chrissie apenas os observou, pensando que não importava quanto tempo se passasse, esses quatro sempre teriam um lado criança.

John se sentiu preocupado outra vez quando chegou em casa depois daquela reunião sobre o filme. Sua expressão pesarosa se desanuviou ao ver Veronica. Sua esposa lhe deu um abraço rápido e então o beijou, o que foi suficiente para que as preocupações dele fossem embora no momento.

-Oi pra você também - ele disse depois que se separaram.

-Alguma novidade? - Veronica perguntou enquanto se encaminhava para a cozinha, John a seguiu até ali, sabendo que chá e torradas esperavam por eles.

-Ah era justamente disso que eu não queria falar... - suspirou ele num tom de reclamação.

-Ah não, John, sabe que quando não quer contar aí que é melhor falar, não me faça ligar pro Freddie - ameaçou a sra. Deacon.

-Ei, não é pra tanto - John ficou um tanto indignado - é só que definiram o elenco do filme, e vamos conhecer os atores ainda essa semana.

-E isso é muito legal, de verdade - Veronica se animou com a ideia - mas de novo você está incomodado, achei que já tinha aceitado o filme.

-Não, isso sim, mas admite Roni, conhecer alguém que vai interpretar você é no mínimo esquisito - insistiu John.

-Acho que você tá exagerando um pouco - Veronica rebateu, sincera - sim, eu concordo que em parte é estranho, mas lembra que você concordou com o roteiro que foi escrito, ninguém vai fazer nada fora do que vocês permitiram.

-Isso foi o que eu aceitei, eu só... não sei o que fazer quando conhecer esse ator... - confessou Deaky, dando de ombros.

-Ora, John, é só cumprimentá-lo, ser gentil e cortês como você já é, e deixar ele fazer seu trabalho - Veronica foi prática como sempre - acho que depois que fosse conhecer ele, essa sensação esquisita vai embora.

-Eu acho que vai mesmo... - John acabou concordando, aliviado.

Veronica apenas sorriu, sabendo que apesar das inseguranças, no fim de tudo, seu marido lidaria bem com tudo aquilo.

Quando o dia da reunião chegou, Joe estava muito mais nervoso que John. O baixista tinha levado um tempinho para se acostumar com tudo que o filme trouxe e ainda traria, e seus companheiros estavam animados e ansiosos. Já Mazzello realmente estava preocupado em ser o mais cauteloso e respeitoso possível, o mesmo sentimento que seus colegas de trabalho tinham naquele dia.

O Queen na companhia de Chrissie May e Jim Beach esperava pelo elenco de Bohemian Rhapsody em Abbey Road Studios. Foi então que Graham King chegou com os atores e fez as apresentações.

Havia um certo constrangimento de Joe, Ben, Gwilym e Rami que logo foi desfeito pela acolhida calorosa de Freddie, Roger e Brian. Antes que Joe e John trocassem um aperto de mão, o grande espanto do baixista ficou um tanto aparente quando ele viu Mazzello. Era incrível como o ator parecia com ele, aliás, os quatro pareciam, mas a semelhanças de Joe e John e Brian e Gwilym eram de assustar. Além disso, conforme Joe falava com os outros presentes, John notou que ele era americano, e não conseguiu evitar pensar em como um americano conseguiria fazer um sotaque britânico convincente.

-Sr. Deacon? - mesmo nervoso, a personalidade extrovertida de Joe o fez dar o primeiro passo - é um prazer conhecê-lo, eu sou Joe Mazzello.

-John Deacon - o baixista respondeu automaticamente, deixando seu próprio incômodo ir embora - mas você já sabe disso, também é um prazer conhecê-lo, Joe.

-Então... - Joe pensava no que dizer - antes de qualquer coisa gostaria de dizer o quanto admiro o senhor e a banda, e eu quero muito fazer um bom trabalho, que deixe todos vocês orgulhosos.

-Oh muito obrigado - murmurou John, claramente comovido - isso me deixa muito tranquilo.

Foi naquele momento em que as preocupações de Deacon acabaram de vez, o nervosismo e o comprometimento de Joe o tinham comovido o suficiente para mostrar para o ator que estava tudo bem, que John ficaria feliz com o que ele faria. Observando ao seu redor, viu que os amigos e seus atores já estavam tocando um pouco, aproveitando o momento para trocarem experiências. Para John, música sempre foi algo mágico que causava um bem estar maravilhoso nas pessoas e, apesar de toda pressão, era música que o baixista usaria para acalmar Joe.

-Eu imagino que você já deve saber tocar baixo, mas deixa eu te mostrar alguns truques meus? - John ofereceu, num tom que usava com seus filhos quando eles eram pequenos.

-Por favor, senhor - Joe respondeu animado, mal acreditando que não precisou pedir por aulas particulares como um fã histérico.

Enquanto John tocava e Joe observava, e depois trocando essa posição, riram, aprenderam, ensinaram, tiveram certeza que fazer aquele filme renderia uma boa experiência.

Chapter Text

Das últimas reuniões da banda que tinha participado, aquela tinha sido a primeira da qual John saía totalmente leve e despreocupado, conhecer Joe tinha o ajudado a se sentir assim, a tirar todo receio sobre o filme que o baixista ainda carregava.

Tocar junto com o ator fez a mente e o coração de John associarem sua instrução com a maneira curiosa como seus seis filhos reagiam ao baixo, à banda, à música. É claro que Luke era quem tinha demonstrado mais interesse genuíno do que seus irmãos, mas seu pai tinha uma lembrança que ligava cada uma de suas crianças à música.

Robert era só um bebê quando prestava atenção no seu pai tocando no casamento dos Taylor, Michael tinha tentado tocar sozinho aos três anos, mexendo no baixo sem que ninguém visse, fazendo com que o braço do instrumento batesse na sua testa e deixasse um galo feio durante algumas semanas. Laura perguntou uma vez onde ficava as "notas fininhas" do instrumento, no que John respondeu que não tinha, ela ficou preocupada, mas depois entendeu que a função do baixo era fazer o som grave. Joshua era fascinado pelo som que saía do amplificador e como as caixas de som funcionavam, Luke implorou que o pai lhe ensinasse a tocar quando tinha oito anos e Cameron, ouvia às fitas cassete atentamente, identificando cada elemento que compunha as músicas do Queen, sem deixar de sempre identificar o baixo, lembrando de seu pai.

Por fim, Joe não hesitou em fazer perguntas e tocar o mais parecido com John, o que arrancou alguns sorrisos do baixista. Joe notou e ficou feliz, não havia ficado magoado por Deacon ter rido dele, mas sabia que aquilo era um sinal de que estava no caminho certo, estava cada vez mais idêntico ao estilo de tocar de John. Isso fez com que Joe ganhasse a admiração dele.

Atenta como sempre, Veronica notou a melhora no humor do marido quando ele chegou em casa e, pacientemente, esperou que ele se sentasse, tomasse um gole de chá, e só então perguntou sobre o que queria tanto saber.

-Você gostou do seu ator? Como ele é? - ela expressou sua curiosidade, colocando uma mão no queixo.

-Parecido comigo, sem dúvida - John achou que era a primeira coisa que ele tinha que contar - e toca baixo muito bem, tirando isso, ele não tem nada a ver comigo.

-Como assim? - Veronica ficou intrigada, querendo saber mais.

-Ele é muito mais agitado e extrovertido que eu - confessou John dando de ombros - mas por um lado isso foi bom, ele decidiu quebrar o gelo primeiro.

-Então você não iria conversar com ele se ele não falasse primeiro? - A sra. Deacon deduziu, sabendo que isso acontecia na maioria das vezes.

-Não é bem assim, confesso que eu estava meio perdido, sabe, só ocupando meu lugar esperado junto à banda, mas o Joe realmente estava tão empolgado e interessado em me ouvir... - ele foi contando - não tinha como eu ignorar a vontade de aprender dele.

-Ah então esse é o nome dele, Joe! - Veronica ficou contente em saber - Eu conheço ele de algum filme?

-Ah eu não saberia dizer - John deu de ombros - não pesquisei a filmografia dele.

-Assim parece que você tá tão desinteressado - a sra. Deacon repreendeu.

-Não é desinteresse, só não estou curioso - John se explicou - é diferente, eu só não quero pressioná-lo, quero deixá-lo à vontade para trabalhar.

-Ah nisso concordamos meu amor, eu só queria conhecê-lo também - ela confessou - se ele quiser também.

-Acho que ele vai gostar da ideia, se você quiser, te apresento a ele - ele sorriu, não achando a ideia da esposa tão ruim.

Durante o jantar, a curiosidade da sra. Deacon passou para os seus filhos. Joshua, Luke e Cameron sendo os três filhos mais novos do casal Deacon, ainda moravam com os pais e por estarem mais antenados e atentos às notícias e à mídia que seu próprio pai, os garotos Deacon estavam com muitas expectativas sobre o tão especulado filme do Queen.

-Então pai a reunião com o elenco foi hoje, não? O que pode contar pra nós? Muita ou pouca coisa? Ou nada? - Joshua trouxe o assunto, cheio de entusiasmo.

-Que pergunta eu devo responder primeiro, Josh? - devolveu o pai dele, de bom humor.

-Anda Johnny conta logo, nem pra mim você contou muita coisa - reclamou Veronica.

-Não é verdade Roni, você foi a primeira a saber sobre o filme - John rebateu - mas pra satisfazer a curiosidade ferrenha de vocês, sim, conhecemos o elenco hoje, vão começar a filmar semana que vem, e o ator que vai me interpretar é muito bacana.

-Qual o nome dele? - Cam se lembrou de perguntar.

-Joe Mazzello - confirmou o pai dele.

-Ele é um tanto desconhecido, não? Bunca ouvi falar dele - Luke comentou com uma mão no queixo e logo em seguida teve uma ideia melhor, correu para pesquisar o ator no Google.

De repente, o rapaz começou a rir enquanto olhava para a tela de seu celular.

-Cara, isso é surreal... - ele comentou, colocando uma mão sobre a boca logo em seguida, demonstrando sua surpresa.

-Luke, para com isso e conta logo o que foi que você descobriu - a mãe dele exigiu, já preocupada.

-Mãe, o papai não te mostrou nenhuma foto do Joe? Olha isso aqui - Luke saiu do seu lugar e mostrou a Veronica o que tinha pesquisado, a reação dele causou tanta comoção que fez com que seus irmãos pesquisassem também.

Cameron e Joshua se surpreenderam também.

-É, ele é a cara do John, não tem como negar - a mãe deles teve que admitir.

-Eu achei parecido, mas eu sabia que vocês reagiriam assim - John se permitiu rir um pouco daquilo tudo.

-Só parecido? Pai, ele é igualzinho ao senhor - Cameron exclamou, ainda espantado - se eu não soubesse, diria até que ele é nosso irmão.

-Pior que é verdade... - concordou Joshua, meio desconfiado.

-Pai, mãe, tem certeza que não tiveram mais um filho depois do Cam? - Luke disse, numa seriedade brincalhona.

-Não! - responderam seus pais ao mesmo tempo.

-Certo, sem mais piadas sobre o Joe ser nosso irmão, entendi - o rapaz ficou um tanto desapontado.

-Como se isso fosse te deter Luke - Josh cruzou os braços e revirou os olhos.

-Vocês viram que ele fez o menininho do Jurassic Park? - Cameron cortou o assunto, contando o que tinha descoberto.

-Sério? - Luke se surpreendeu outra vez e continuou pesquisando.

Com um pouco mais de tempo em que os irmãos Deacon escarfunchavam o que podiam sobre Joe Mazzello, terminaram tudo isso seguindo o ator no Twitter.

-Dei um oi pro Joe no twitter, espero que ele responda - Cameron ficou na expectativa.

-Ah eu também, vou tentar no Insta agora - Luke se empolgou em se comunicar com Joe.

-Que caos foi esse... - John murmurou baixinho, balançando a cabeça - imagina se eu fosse convidar o Joe pra jantar igual o Brian fez com o Gwilym...

-Não é má ideia - Veronica comentou.

-É pai, a gente queria conhecer o Joe pessoalmente, quebra esse galho pra gente - Josh apoiou.

-Não, eu não quero incomodar o coitado, olha o jeito que vocês ficaram sem nem saber quem ele é - o pai estava relutante e irredutível - imagina o que vão fazer pessoalmente.

-Tá - Luke ficou emburrado como uma criança pequena - eu vou ver se ele topa tomar um chá comigo.

-Tudo bem, só não envolva o resto da família, e não seja chato e irritante com ele - recomendou John.

-Se tem uma coisa que eu não sou é ser chato - o rapaz rebateu com uma careta, o que causou bufadelas de deboche de seus irmãos.

Luke ignorou isso com um aceno, e se concentrou em seu celular. Joe tinha acabado de responder seu "oi" no twitter. John só esperava que os seus filhos não assustassem o ator com tanto entusiasmo.

Chapter Text

Tinha sido um excelente primeiro dia do novo trabalho, o dia que para Joe, marcava oficialmente seu envolvimento, participação e total comprometimento com o filme Bohemian Rhapsody. Mas o que o tinha deixado mais contente era o fato de conhecer John Deacon pessoalmente e até ter tido umas aulinhas do próprio.

Joe temia assustar John ou que ele não quisesse se envolver tanto com o filme, já que era o membro mais discreto da banda. Mazzello tinha suas próprias teorias quanto a isso, que foram parcialmente confirmadas quando conheceu Deacon. Era claro como o baixista do Queen era uma pessoa tímida e reservada, e ser um astro do rock não era bem uma coisa que se associa com alguém assim. No entanto, Joe pensava que o amor de John pela música e seus amigos era o que o motivava a continuar a fazendo parte de tudo aquilo, mesmo atraindo tanta atenção para si.

O encontro deles foi memorável e especial para o ator, mas outra coisa legal aconteceu quando ele chegou ao hotel em que estava hospedado, depois da reunião. Checando as redes sociais, como sempre costumava fazer, notou duas solicitações de amizade, tanto no Instagram como no Twitter. Os dois perfis tinham o sobrenome Deacon e logo Joe percebeu que se tratava dos filhos de John.

-Nossa, isso foi... legal... - refletiu Mazzello sozinho, falando em voz alta.

Imediatemente, ele aceitou as solicitações e assim que fez isso, recebeu uma mensagem de Luke.

"Oi, tudo bem? Sou filho do John Deacon! Soube que você vai interpretar meu pai no filme, parabéns!"

Então Joe respondeu em seguida:

"Oi! Luke, certo? Prazer em conhecê-lo! Sim, sou eu mesmo, e obrigado."

Da casa dos Deacon, Luke não esperava que Joe respondesse tão rápido, o rapaz se empolgou com a conversa.

"De nada, cara! Eu tava pensando uma coisa, espero que você não se importe"

Aquilo deixou Joe um tanto curioso e desconfiado.

"Acho que não...? Só me fala, pode falar o que é."

Luke prosseguiu com seu plano.

"Eu queria muito te conhecer pessoalmente, o que acha de marcarmos alguma coisa?"

Joe se espantou com o convite, mas ficou muito contente.

"Ótimo! Excelente mesmo, por mim, tudo bem."

"Então, você conhece o Speedy's? É uma lanchonete em Regent's Park , é um lugar legal, só me diz uma hora que você tá disponível, e pra mim tá tudo bem" enviou Luke.

"Bom, eu não sei onde fica, mas eu me viro, não se preocupe. E quanto a um horário disponível, amanhã de manhã eu estou desocupado. Podemos ir amanhã?" Joe contou.

"Sim, fechado, então amanhã a gente conversa mais. Legal falar com você, até mais!" Luke encerrou a conversa.

"Igualmente, Luke. Te vejo amanhã, tchau!" respondeu Joe por fim.

Joe ficou levemente distraído com a possibilidade de conhecer um dos filhos de John. Imaginou nas histórias interessantes que Luke poderia contar sobre o pai dele, que ajudaria o ator com seu papel, mas também descobrir mais sobre o artista que tinha aprendido a admirar.

Antes que o jantar dos Deacon terminasse, os irmãos e os pais de Luke notaram sua animação. Quando o rapaz tirou os olhos da tela do celular, viu a família o encarando curiosa, em busca de respostas para seu estado.

-Eu vou conhecer o Joe amanhã! - ele explicou de uma vez.

-Sério? Ele aceitou mesmo? - o próprio John ficou levemente espantado.

-Aham, ele pareceu gostar da ideia de imediato - Luke confirmou - tem alguma dica pra mim, pra eu saber como agir, ou o que falar com ele, pai?

-Não, não mesmo - John comentou - no fundo, acho vocês dois um tanto parecidos, então vão se dar bem de cara, e eu não quero te dar conselhos sobre uma conversa, falem do que quiserem, eu sei que o assunto principal vai ser eu, mas é compreensível.

-Tá parecendo que tá se achando, pai - Josh riu um pouco de como seu pai se referiu a si mesmo.

-Eu sei, não foi proposital - Deaky deu de ombros, dando um sorriso travesso.

Assim, Josh e Cam ficaram ansiosos como o irmão para saber como seria o encontro e a conversa com Joe. Esperavam que Luke contasse tudo a eles e quem sabe, um tempo depois, os dois pudessem conhecer o ator pessoalmente também. Por enquanto, deixaram seu irmão ligeirinho tomar a frente da corrida.

Depois do seu café da manhã, Joe pegou um táxi e, aproveitando as maravilhas da modernidade, usou um sistema de GPS para descobrir onde ficava a tal lanchonete Speedy's para facilitar a vida do taxista, que não sabia bem onde ficava o lugar. Assim, uns minutos depois, lá estava Mazzello esperando pelo jovem Deacon.

Por mais que Joe se distraísse fácil com o movimento da rua, olhando pela janela, logo voltou a prestar atenção ao seu redor, quando alguém sentou na mesa dele. Pelas semelhanças com John, só podia se tratar de Luke.

-Luke? - Joe perguntou, franzindo as sobrancelhas, só para ter certeza.

-Isso, e você deve ser o Joe Mazzello - Luke apertou a mão do ator - espero que não se importe de eu te chamar de Joe.

-Não, não, fique à vontade - o ator deu de ombros - assim não me sinto um velho.

-Certo, pois é cara, é muito doido você interpretar meu pai, num filme - Luke puxou assunto - nunca pensei que fariam um filme sobre o meu pai, ou a banda, nesse caso.

-É, eu também achei a ideia inusitada, mas eu me empolguei imediatamente - Joe embarcou na conversa - sabe que eu não conhecia o Queen muito bem antes, mas quando eu soube que queriam que eu fizesse o sr. Deacon, logo eu fiz uma pesquisa completa, não muito completa, quer dizer, não invadi a privacidade de vocês, eu respeito seu pai ser mais reservado.

-É, ele é sim - Luke assentiu - é por isso que é difícil imaginar alguém interpretando ele, mas sinceramente, eu mal posso esperar pra ver como vai ser o filme! O meu pai tava meio com medo no começo, mas ele se acostumou com a ideia, e acho que te conhecer ajudou com isso também.

-Sério? Que bom - Joe sorriu - eu tava muito preocupado em conhecer o seu pai, queria que ele entendesse que eu o respeito muito e meu objetivo mesmo é honrar o trabalho dele.

-Eu que agradeço por pensar assim do meu pai, ele é um cara muito especial - Luke disse um tanto comovido.

-Eu percebi, pelo pouco que convivi com ele, eu percebi - o ator se lembrou de como John tinha sido gentil quando se conheceram - ele até me ensinou alguns truques no baixo.

-Sério? Ele me ensinou a tocar quando eu era criança, eu também toco baixo - contou o jovem Deacon.

-Mesmo? Desde pequeno? Não é tão fácil, né? Eu toco um pouco de violão, mas assim que eu soube do papel, pedi pra um amigo meu me ensinar baixo - Mazzello manteve a empolgação na conversa.

Continuaram conversando ali até sentirem fome, e aproveitando o fato de já estarem numa lanchonete, prolongaram sua conversa almoçando juntos. Realmente, John tinha razão em dizer que os dois se dariam bem, já que antes de irem embora, trocaram números de telefone. Joe ficou contente por conhecer Luke e ouvir suas histórias, já Luke tinha certeza que Joe era uma escolha excelente para interpretar o seu pai no filme.

Chapter Text

Quando Luke chegou em casa depois de se encontrar com Joe, foi bombardeado por uma porção de perguntas dos seus irmãos.

-Calma, calma, gente - ele acabou rindo de toda aquela euforia - uma pergunta de cada vez, por favor.

-Como é que foi lá? O Joe te fez muitas perguntas? - Josh conseguiu perguntar primeiro, mas Cam não ficou com raiva, já que o irmão queria saber o mesmo que ele.

-Foi bem legal, eu sentei na mesa dele e aí nós começamos a falar do filme, de como era meio diferente essa coisa de fazerem um filme sobre a banda, ainda mais colocando o pai porque vocês sabem o quanto ele é tímido e tal - Luke disse primeiro, depois prosseguiu - depois o Joe falou que admira muito e respeita o trabalho do nosso pai.

-Bom, isso é ótimo, mesmo - refletiu Josh - mas o que você achou dele?

-Ele é muito legal, sério, mas meio palhaço, no melhor dos sentidos - Luke riu ao lembrar de alguns trejeitos peculiares de Joe - não demorou muito pra gente brincar um com o outro.

-Bom, isso ele tem em comum com o nosso pai então - Cameron concordou.

-Não, o pai é muito mais sério que o Joe - Luke debateu - mas eles são muito preocupados com seu trabalho, acho que é isso que eles tem em comum.

-Isso e a cara deles, não? - Josh riu - ele é igualzinho ao papai igual parece nas fotos?

-Ah sim, mano, pode apostar que sim - Luke assentiu - só não me assustei porque eu já tinha visto o rosto dele antes.

-Então, dava pra ele se passar por nosso irmão? - Cameron fez uma brincadeira.

-Pior que poderia mesmo - concluiu Luke.

Os três continuaram conversando animadamente, o que deixou seus pais curiosos. Era sempre assim quando os três caçulas Deacon estavam juntos, mas tudo aquilo tinha um motivo bem específico, que John e Veronica já estavam desconfiando.

-Nossa, eles realmente empolgaram com o Joe - John refletiu em voz alta, ouvindo a algazarra dos meninos de seu quarto - não achei que era pra tanto...

-É porque eles estão curiosos, John - Veronica explicou - imagina ver uma versão mais jovem do pai deles, é bem inusitado e empolgante, aliás, eu ainda quero conhecer o Joe.

-Ah não, até você? - John riu um pouquinho.

-Acha que é uma má ideia? Que talvez o Joe não goste dessa ideia? - a sra. Deacon levantou a hipótese, para ver como o marido reagiria.

-Não, imagina, quem não gostaria de conhecer você, minha amada e preciosa esposa? - John aproveitou o momento para elogiá-la, sorrindo de lado - na verdade, Roni, acho que o problema sou eu...

-Ah ha, como eu desconfiava - ela disse o que estava pensando.

-Ah então você acabou de me chamar de problema? - ele brincou para se despistar do conflito.

-Não, claro que não - ela acabou rindo - John, o que está acontecendo é que você está com receio de envolver a família com o filme, se nós conhecermos o Joe. Você não nos quer tão envolvidos com uma coisa que tem a ver com a banda, como você sempre fez.

-Eu te amo por me conhecer tão bem - John confessou - é exatamente isso.

-E eu te digo de novo que não precisa se preocupar com isso - Veronica tocou o rosto do marido, olhando bem nos olhos dele - não estou encarando isso como toda a história da família Deacon exposta por um ator ou um filme, mas sim como um tributo, uma homenagem a vocês, e eu queria conhecer o ator que vai homenagear justamente o meu amado marido, é só isso Johnny.

John teve vontade de chorar, pois desde que a conhecera, Veronica sempre o entendeu e o apoiou, e por puro amor e dedicação a ele, sabia exatamente o que ele estava sentindo.

-Obrigado por entender, eu te amo - ele não hesitou em abraçá-la, o que só fez Veronica retribuir ainda mais o gesto.

-Disponha sempre, Johnny - a sra. Deacon beijou a bochecha do marido - também te amo.

A conversa com sua esposa fez John se convencer de que realmente não faria mal Veronica conhecer Joe, ele era um rapaz excelente, que também entendia John e respeitava sua discrição. Estava certo de que ele agiria assim também com a sra. Deacon.

Assim, John acabou concordando em apresentar Joseph a Veronica, levando a esposa com ele em uma outra reunião do elenco com a banda. Dessa vez, se tratava de uma leitura de mesa, em que os atores leriam o roteiro do filme pela primeira vez.

Havia algumas cadeiras no canto da sala, que foram ocupadas pelo Queen e sua assessoria, para assistirem a leitura do roteiro. John e Veronica se sentaram ali com Roger, Freddie e Jim Beach, esperando Brian, Chrissie e o elenco chegarem.

Ao ver sua velha amiga, a sra. May não hesitou em ir até o encontro da sra. Deacon.

-Veronica! - Chrissie disse enquanto a abraçava - que bom te ver por aqui, nem imaginava que estaria aqui, mas é ótimo que veio.

-Pois é, eu insisti muito e o John me trouxe - a sra. Deacon riu, contente pela recepção da amiga - o Luke conheceu o Joe e ele ficou tão empolgado que me deixou curiosa.

-Ah eu te entendo, foi a mesma coisa com o Brian e o Gwilym - Chrissie sorriu e assentiu.

A conversa das duas foi interrompida pela chegada do elenco e John, contente por Veronica e Chrissie passarem um tempo juntas conversando, aproveitou o momento para ir cumprimentar Joe.

-Sr. Deacon, que prazer em revê-lo, como vai? - Joe foi cordial e animado como sempre, oferecendo uma mão, que John aceitou.

-Igualmente, Joe, eu vou bem, fiquei sabendo que você e Luke se conheceram, ele gostou muito de você - Deacon contou - mas tem mais alguém da minha família que queria te conhecer, espero que não se importe.

-Mesmo? Uau... Eu não me importo, senhor, vai ser uma honra pra mim - Joe ficou surpreso, mas lisonjeado.

-Roni, vem aqui - John chamou a esposa e ela se aproximou, enquanto Joe achou o apelido fofo - bom, Joe, essa é minha esposa, Veronica, e Roni, esse é o Joe Mazzello.

-Nossa, isso é... - ela ficou um pouco embasbacada ao notar as semelhanças enormes com seu marido, chegando a olhar alternadamente de um para o outro checando quem era quem - oi, Joe, oi! Prazer em conhecê-lo.

-Igualmente sra. Deacon, eu agradeço por ter vindo me conhecer, e é claro, ver nosso trabalho - Joe se lembrou de mencionar o restante dos companheiros, pra que não parecesse arrogante por receber atenção de Veronica.

A sra. Deacon deixou o ator se juntar aos elenco, e ela por sua vez, sentou-se com John, Jim, os meninos e Chrissie, prestando atenção em cada um dos atores, conforme eles davam o seu melhor para interpretar seus personagens. Toda vez que Joe dizia suas falas, tanto Veronica quanto John se impressionavam. Não era uma imitação caricata, mas era Joe interpretando John como tinha compreendido quem o baixista era, o que deixou o sr. e a sra. Deacon aliviados e comovidos.

Chapter Text

Quando a leitura de mesa acabou, Veronica observou um pouco de lado os atores interagindo com seu marido e os companheiros de banda dele. Era meio estranha e curiosa a sensação que aquele encontro causava na sra. Deacon. Era realmente como se fossem os seus eus jovens encontrando o Freddie, o Roger, o Brian e o John do presente. Chrissie, que também tinha terminado de conversar com Gwilym, notou a sensação no rosto da sua amiga.

-É sempre assim quando vemos todos eles juntos - a sra. May riu baixinho ao se aproximar de Veronica.

-Pois é, é justamente nisso que tô pensando - a sra. Deacon sorriu - e você viu o jeito deles falarem, as vozes deles, o Joe... O Joe fala igualzinho ao John!

-Eu também assustei com o Gwilym, é realmente impressionante - Chrissie concordou - desculpa a pressa Roni, mas eu tenho que ir, os meninos ainda vão se encontrar no estúdio, mas foi muito bom te ver.

-Sempre é bom te ver também, Chrissie - a sra. Deacon também tinha um grande apreço pela amiga - podemos marcar uma visita pra vocês ou vocês na minha casa depois.

-Claro, com certeza - Chrissie também gostou da ideia - então, tchau.

-Tchau - a sra. Deacon se despediu, vendo John vindo em sua direção.

-Está pronta pra ir? - seu marido quis saber.

-Bom, pra ser sincera, Johnny, gostaria de conversar mais com o Joe, se ele não tiver nenhum compromisso pra mais tarde - ela contou o que estava pensando - espero que não se importe de eu convidá-lo pra pelo menos um chá.

-Eu sabia que essa hora ia chegar, mais cedo ou mais tarde - John balançou a cabeça e riu baixinho - mas tudo bem, por mim, tudo bem, eu só não vou estar em casa para recebê-lo, em compensação, os meninos vão enlouquecer com a visita surpresa.

-Ok então, só resta saber se o Joe está livre - resumiu Veronica, indo até Mazzello.

-Sra. Deacon? - Joe se virou antes que ela dissesse alguma coisa, no seu jeito animado de sempre, mas um pouco apreensivo, já que ela tinha acabado de ver ele interpretando John Deacon - eu espero que tenha gostado da leitura...

-Ah Joe, não se preocupe, eu achei que você estava incrível, de verdade, mas queria ver uma outra coisa com você - Veronica contou - o que acha de ir tomar chá em casa, comigo e os meus meninos?

-Sério? Eu... - Joe ficou surpreso com o convite - eu acho muito legal, sra. Deacon, eu vou, eu aceito sim.

-Certo, então vamos, se importa de ir comigo? - ela o apressou, animada.

-De maneira nenhuma, senhora - Mazzello negou, balançou a cabeça.

Antes de irem, fizeram questão de se despedirem de John.

-Já estão indo? Tudo bem, vejo vocês mais tarde, divirtam-se sem mim - Deacon brincou e sorriu, primeiro para a esposa e depois para Joe.

A corrida de táxi até a casa dos Deacon não foi tão demorada assim e, de um jeito estranho, Joe se sentiu nervoso ao avistar o lugar, estava preocupado em ser digno o suficiente de entrar na casa do baixista e de sua família, quem ele estava dando o seu melhor para interpretar. Usando um talento natural de toda mãe, Veronica logo notou o nervosismo de Joe.

-Ah não se preocupe, você é nosso convidado - assegurou ela - e além disso, Josh e Cam estão doidos pra te conhecer.

-Obrigado, sra. Deacon - ele respondeu, aliviado.

Joe esperou Veronica entrar, ficando bem atrás dela, suspirando fundo antes de colocar seus pés na residência. Logo ele percebeu o quanto aquele lugar tinha um jeito de família, de aconchego e carinho. Tinha uma sala de estar ampla, com um detalhe peculiar, uma estatueta do Mestre Yoda na estante, perceber isso fez Joe sorrir. Andaram pelo corredor, passaram pela sala de jantar, com uma mesa enorme que cabia a família toda, indo até a cozinha.

-Eu espero que não se importe de me esperar aqui na cozinha - Veronica comentou.

-Não, de jeito nenhum, fique à vontade - ele a entendeu.

A sra. Deacon pôs uma chaleira no fogo e deixou Joe por um instante, indo chamar Joshua, Luke e Cameron. Ela só pediu que os filhos descessem até a cozinha, com um ar de mistério, o que deixou os meninos em alerta.

-Joe! - Luke logo o cumprimentou, trocando um aperto de mão com o ator - que bom te ver aqui!

-Então ele é o Joe?! - disse Cameron, impressionado, fixando o olhar nas semelhanças que o ator tinha com o seu pai.

-Pela cara, é ele mesmo! - Joshua completou - desculpe o mal jeito, é que realmente é assustador o quanto você parece com o nosso pai. Eu sou Josh, prazer em te conhecer.

-Oi, igualmente - Joe acabou sorrindo diante da reação dos garotos Deacon.

-Cameron - Cam se apresentou - é muito legal te conhecer, de verdade.

-Bom, eu que agradeço por me receberem tão bem - replicou Joe - a sra. Deacon me falou o quanto vocês queriam me conhecer.

-Pois é, a gente ficou curioso e empolgado com essa história de filme, e a gente viu o quanto você parece com o nosso pai e tudo mais, mas como é que tá sendo tudo isso pra você? - Cameron despejou, empolgado.

-Incrível, incrível mesmo - Joe contou - nós ainda não começamos a gravar, mas estou me preparando desde que soube que ganhei o papel. Quero muito fazer o meu melhor, pra honrar o trabalho do sr. Deacon.

-Pelo que eu entendi por hoje, Joe - Veronica entrou na conversa, enquanto preparava o chá - vocês vão gravar na semana que vem, não é? Sabe por onde vão começar? Porque eu sei que quando fazem um filme, não seguem a ordem cronológica do roteiro nas filmagens.

-Está certa, sra. Deacon - Joe confirmou, assentindo - pelo que Graham e Dennis nos contaram, vamos começar pelo Live Aid.

-Sério? - ela se assustou com a decisão - deve ser muito difícil pra você, pra vocês quatro, não? Eu lembro daquele dia, o John tava tão nervoso, acho que se pudesse ele nem subiria ali, isso sem contar de tudo o que tinha acontecido antes...

-Acontecido antes? - foi Luke quem perguntou, confuso - o que exatamente aconteceu, mãe?

-Bom, meu amor, é que é uma questão delicada - sua mãe foi sincera - seu pai sempre foi reservado sobre algumas coisas da banda.

Joe se sentiu um pouco sem graça, pensando ser o responsável por trazer o assunto à tona. O que ele não sabia era que parte dos motivos para que Luke, Cameron e Joshua não soubessem do que Veronica tinha mencionado é porque eles tinham nascido numa época em que o Queen não era mais tão popular assim, e além disso, John preferia poupar os filhos de tudo que ele julgasse ruim sobre a banda. A separação que eles tiveram para depois retomarem sua união na apresentação do Live Aid era uma dessas coisas delicadas que o baixista escondia.

Mas agora, bem naquele momento, depois de tantos anos, e, com seus meninos sendo homens, Veronica julgou que aquele instante era a oportunidade perfeita para explicar sobre isso.